Documentário “The True Cost”

the true cost

De um lado, os consumidores, que exigem os artigos da moda ao preço mais baixo; do outro, os trabalhadores explorados que os fabricam em condições extremas.

O documentário é uma história sobre o vestuário. É sobre as roupas que vestimos, as pessoas que as fazem e sobre o impacto que a indústria da moda tem este momento no nosso planeta. O preço do vestuário tem vindo a diminuir ao longo das últimas décadas, enquanto os custos humanos e ambientais têm crescido dramaticamente. The True Cost é um documentário inovador que puxa a cortina sobre a história não contada e nos pede para considerar: quem realmente paga o preço pela nossa roupa?

IMBD: 7.7/10 | TRAILER


Posso dizer, sem qualquer sombra de dúvida, que este foi até agora o documentário que mais me custou ver e que mais me marcou. Nunca mais olhei para a indústria da moda da mesma forma e nunca mais consegui compactuar com este sistema que só privilegia o lucro a qualquer custo.

Mas vamos por partes: afinal de que se trata o documentário? O The True Cost é um documentário sobre a indústria da moda. Mas, ao mesmo tempo, é muito mais do que isso. É um documentário que nos guia pelos meandros da indústria e que nos mostra as mudanças de padrões de consumo que têm vindo a ocorrer nos últimos anos. Que nos mostra os impactos ambientais desde a produção da matéria-prima até ao momento de descarte da roupa. Que nos mostra como as grandes marcas nos criam necessidades que não existem. Mas, sobretudo, que nos mostra os impactos sociais e humanos que esta indústria tem nos países menos desenvolvidos.

Existe tanta coisa para dizer sobre este documentário que nem sei bem por onde começar. E nem sei se deva – porque este é daqueles que devia ser mesmo obrigatório de se ver.

O mote que dá origem ao documentário é o fatídico colapso do Rana Plaza, em Dhaka, no Bangladesh. Para quem não se recorda, o Rana Plaza era um edifício de 8 andares que abrigava diversas fábricas de roupa e que desabou, a 24 de abril de 2013, matando mais de 1000 trabalhadores e ferindo inúmeros outros. No momento do colapso, é estimado que estivessem no edifício mais de 5000 pessoas. Os trabalhadores, sem qualquer tipo de direitos, foram obrigados a ir trabalhar, mesmo depois de terem alertado os supervisores no dia anterior de alterações na estrutura do prédio. Aqui, e no que ficou conhecido como o maior desastre da indústria têxtil, fabricava-se roupa para marcas como a Benetton, a Primark ou a H&M.

rana-plaza

Vítimas do colapso do Rana Plaza. Créditos da foto @The Daily Star

Curiosamente (ou não) o ano a seguir a este desastre foi o mais rentável de sempre para a indústria da moda. Por isso eu pergunto: como é que uma indústria que lucra milhões todos os anos não consegue garantir a segurança e a qualidade de vida dos seus trabalhadores?… Consegue, claro que consegue – só que não quer. E nós deixamos.

O Rana Plaza é só a ponta do iceberg. Para além das questões sociais, o documentário mostra-nos ainda as questões ambientais e éticas da indústria da moda e faz-nos refletir sobre questões fundamentais. É verdadeiramente justo comprarmos uma camisola por 5€? Quem é que a fez? Em que condições? Por quanto dinheiro? Como foi produzido o algodão? Que quantidade de água foi gasta? Quantos pesticidas? Quantos trabalhadores morreram por causa da inalação de produtos tóxicos? Quantos ficaram incapacitados? Quantos se suicidaram porque não conseguiram pagar os empréstimos que foram obrigados a fazer para comprar sementes geneticamente modificadas? Quantas crianças nasceram com deficiências ou deformidades? Quantos cursos de água ficaram poluídos? Quantas pessoas dependem deles para sobreviver? Será verdadeiramente justo comprarmos o que quer que seja por 5€?..

Nós, os do primeiro mundo, desenvolvemos uma capacidade que considero extraordinária: a ignorância. Sabemos, mas ignoramos. Vemos, mas ignoramos. Incomoda um bocadinho, mas ignoramos. Olhamos para o lado. Fingimos que não é connosco. Ignoramos.

Sei que a mudança não vai ser fácil e que o que vão ver é um murro no estômago daqueles que magoam e que marcam, mas até quando queremos continuar a ignorar?

A mudança só é possível se lutarmos todos para o mesmo lado. Se todos soubermos, se todos compreendermos. Se todos nos importarmos.

Vejam. Informem-se. Importem-se.

O The True Cost está disponível na Netflix, mas podem ver também online aqui (só não tem legendas em português).

 

logo - âncora verde

3 thoughts on “Documentário “The True Cost”

  1. Nathalia Gomes says:

    Esse documentário é um divisor de águas, não dá pra continuar com os mesmos hábitos de consumo depois de assisti-lo!
    O que mais me assusta é o descaso e a falta de interesse em um assunto tão sério como esse!
    É um documentário que merece ser visto até para quem não é interessado em moda!

    • Leila Teixeira says:

      É verdade, Nathalia… Não dá mesmo! Às vezes também me assusta o desinteresse das pessoas e a capacidade que têm para ignorar estes problemas, mas cada vez mais se começa a ver uma vontade de mudar 🙂

Deixar uma resposta