Earth Overshoot Day 2018

DSC_0170-01

Hoje atingimos o Earth Overshoot Day de 2018. Isto significa que em apenas 8 meses, já esgotamos todos os recursos naturais que o planeta é capaz de renovar num ano.

Desde que o planeta entrou em sobrecarga pela primeira vez, no início da década de 1970, o Earth Overshoot Day tem sido assinalado cada vez mais cedo: em 1997 ocorreu no final de setembro e este ano assinala-se a 1 de agosto. Por outras palavras, atualmente, é exercida uma procura 1.7 vezes superior à capacidade de regeneração dos ecossistemas.

Emitimos mais dióxido de carbono para a atmosfera do que aquilo que os nossos oceanos e florestas podem absorver. Pescamos e colhemos mais e mais rapidamente do que aquilo que conseguimos reproduzir e fazer reflorescer.

Os danos causados por esta nossa utilização excessiva dos recursos são cada vez mais evidentes a nível mundial, mas principalmente nos países em desenvolvimento: desflorestação, escassez de água doce, erosão do solo, perda de biodiversidade e acumulação de dióxido de carbono na atmosfera. Por sua vez, estes danos acentuam e dão origem a fenómenos, tais como as alterações climáticas, secas severas, incêndios florestais ou furacões.

Overshoot Days por país, 2018

 

gfn-country-overshoot-day-2000.jpg

Este dia não se assinala, no entanto, na mesma altura para todos os países. Portugal, por exemplo, já ultrapassou este limite no passado dia 16 de junho, enquanto o Vietname apenas o irá ultrapassar a 21 de dezembro.

Se todos os países tivessem a mesma pegada ecológica que Portugal, seriam necessários 2,3 planetas para sustentar o nosso estilo de vida atual. Mais do dobro. Se nada mudar, continuaremos todos os anos a assinalar esta data cada vez mais cedo, até ser tarde demais para revertermos o processo.

Por cá, as atividades que mais contribuem para a pegada ecológica são o consumo de alimentos (32% da pegada global do país) e a mobilidade (18% da pegada).

#MoveTheDate: mover a data rumo à sustentabilidade

Neste momento, acredita-se ainda ser possível inverter esta tendência. Se adiássemos esta data 5 dias todos os anos até 2050, seria possível voltar a usar os recursos de apenas 1 planeta. Pode parecer uma tarefa hercúlea, mas, só para dar um exemplo, se reduzíssemos o consumo de carne em 50%, já conseguiríamos ganhar estes 5 dias extra.

A redução no uso de materiais, a promoção da reutilização e a extensão dos tempos de vida dos bens e equipamentos também são pontos fulcrais a ter em conta.

Importa também mudar o paradigma do consumo linear “produzir, usar, deitar fora” e passar a privilegiar a qualidade ao invés da quantidade.

Ainda vamos a tempo, mas precisamos de começar já. Vamos a isso?

 

logo - âncora verde

Deixar uma resposta